quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Interior



No Interior profundo a vida está quase a terminar.
Os bancos das ruas estão vazios, as casas estão abandonadas, a escola primária fechou e o café da aldeia só abre ao fim de semana.
Venham, amanha poderá não estar ninguém.

Sem comentários:

Enviar um comentário