domingo, 4 de outubro de 2009

João Correia



Uma casa abandonada com janelas de ferro, vim a saber que tinham sido feitas no Ferreiro do Carregal nos anos 50, tinha uma oficina com 250m2, uma estrutura de madeira suportada por dois cabos de aço, uma grande obra para a Engenharia da época. Todos por lá se lembram do som das marteladas no ferro que depois de aquecido no fogo com o sopro do fole trasformavam barras de ferro em peças de arte.
Esta fotografia é dedicada ao Pai, ao homem de ferro, ao Ferreiro do Carregal ao grande João Correia.

4 comentários:

  1. Presumo que seja alguém da tua familia:) Uma bonita homenagem! Mesmo em condições degradantes da casa deu uma excelente foto, com o céu reflectido na janela! bom olhar:)
    Beijinhos Nuno e boa semana;)

    ResponderEliminar
  2. Em momentos de passagem pela oficina, a caminho do Tojal, eu entrava e dava uma martelada na bigorna. porquê?! gostava do som ou tentava imaginar o que se faria com aquilo... quando nasci o pai já não trabalhava o ferro, mas a sua obra fica! Numa janela qualquer, num portão, na enchada de tanta gente e na memória de muitos mais...
    xana

    ResponderEliminar
  3. "...
    O ferro é o que fica da boda dos quatro elementos
    Por isso o ferreiro é um Homem sábio
    Faz a enxada, faz a machada, faz a faca.

    Com a semente de ferro que semeou
    Planta e colhe nesta especial agricultura
    Come um pão de ferro que faz o coração generoso
    O Ferreiro, este camponês especial
    Menino.

    ..." Mutimati(Moçambique)

    abraço do Rodrigo

    ResponderEliminar