domingo, 6 de dezembro de 2009

Nascente do Vouga



Nascente do Vouga.

Desde miúdo que fazia questão de ir à nascente do Vouga, o início da caminhada era feito de descias acentuadas nas rochas que as as mulheres de bacias à cabeça tanto temiam até chegar à fonte da cadela onde lavavam a roupa e punham a corar mesmo em cima das ervas.
Estando na fonte olhava para cima e não resistia em subir calhau em calhau e perder-me na pedreira onde encontrava por vezes o Zé Carneiro a guardar as suas cabras negras enquanto fumava o seu Definitivo, de fisga e pistola de pau naqueles rochedos imponentes eu sentia-me grande e imparável!
O Vouga era logo ali atrás a cede levava-me lá por instinto ou fraqueza, fazia-se tarde era hora de regressar a casa a minha mãe ficava preocupada enquanto não chegava.
Quando lhe perguntavam por mim ela insistia em dizer:
-O meu turista deve andar pela pedreira...

Hoje e depois das obras o caminho para o Vouga não tem tanta beleza, passaram bulldozers por os calhaus para carros passarem, os muros caíram, arrastaram as giestas e carvalhos para plantarem árvores e plantas tropicais, aprovaram construções de tamanhos gigantes, a nascente do Vouga está parcialmente vedada e a corrente das águas mudaram de rumo!

4 comentários:

  1. ...a fonte da " Cadela "... com aquela água fria, mas de sabor tão característico... sobretudo quando bebida da bica de bronze...o Zé Carneiro...se bem tenho ideia,o último pastor na Lapa...há pessoas que vivem na nossa memória e ele é uma delas...muito temerária, achava ele, a minha subida às pedras mesmo por cima da fonte da " Cadela"...bem diz o Arménio que as terras são feitas de pessoas...
    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  2. Tal como a tua familia Zé Carlos, também a minha teve de sair deste interior á procura de uma vida melhor.
    Ficam as lembranças, recordações das pessoas lugares e momentos por cada um de nós vividos.
    Continuo a ir á Lapa quando posso, mas as coisas mudaram a Lapa está triste mais pobre e mais moderna.
    Pode ser que as pessoas que têm poder local parem um bocadinho para pensar e reflectir sobre o futuro de outra forma.
    São pontos de vista, o meu é este que tento passar nas mensagens deste Blog, sei bem que também é o teu.
    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  3. Desde Novembro de 2006 que não vou à Lapa... e, para mim, desde essa data que ela ficou irremediavelmente mais triste e mais pobre...
    Mas ainda vive... " nas recordações das pessoas, lugares e momentos por cada um de nós vividos " como dizes e muito bem - e que são muitas e felizes...
    Vive nos valores que nos transmitiram - exigência e rigor no trabalho, comedimento na vida, bem receber e bem tratar o outro, humildade q.b. mas sem prescindir da defesa dos seus direitos e interesses.
    E vive também nos poucos que ali habitam e todos os dias dão um pouco de vida à Lapa ...
    E nos que ali nasceram e sairam, seja para a França, a Suiça - muitos aliás - para Ovar, a Madeira, Peniche, Lisboa ou outros locais...
    Não é o meu caso...mas se não nasci na Lapa, uma parte de mim é ali que encontra as suas referências de identificação...é ali que me reencontro...
    Vive aqui, neste espaço que vai muito para além da Lapa - e por isso é tão rico...- mas nela nasceu...
    Quanto à modernidade, onde estão os palheiros, onde estão os caminhos apenas para o carro de bois e ladeados de silvas com amoras, onde estão os calhaus onde se faziam as malhadas e se deixava o milho ao sol, onde estão as ovelhas do Manuel e do Hermínio, as cabras do Zé "Carneiro", os carros de bois puxados pelas juntas de vacas da tia Luz ou do Sr. Zé da Aurora...
    Não sei se ainda se lava nos tanques da fonte da " Cadela"... Mas, vá lá ainda existe a fonte... e terá água ?
    Um grande abraço... à novena e aos que lhe deram origem...

    ResponderEliminar
  4. Olla tio...
    adoro as fotos,
    Podes ter a certeza q a coisa que mais gosto de fazer sempre q vou a Lapa é ir a nascente... Infelizmente n tive a oportunidade de a conhecer em todo o seu agreste explendor.
    Hj pesso ao emu pai para me mostrar o q ainda resta smpr q ai vamos ms acabo smpre sem conhecer td o que gostaria...
    Bjs da tua sobrinha

    ResponderEliminar