terça-feira, 13 de dezembro de 2011

Orgasmo, poema de Miguel Torga, em plena Serra do Açor





ORGASMO

Deixa que eu te descubra, anónima paisagem,
Corpo de virgem que não amo ainda!
Fauno das fragas e dos horizontes,
Sonho contigo sem te conhecer…
Sonho contigo nua, a pertencer
Ao silêncio devasso e à solidão!
Num pesadelo, vejo amanhecer
O sol e o vento no teu coração!


E é um ciúme de Otelo que me rói!
Só eu não posso acarinhar a sombra
Do teu rosto velado!
Só eu vivo afastado
Dos teus encantos!
E são tantos
E tais!
Que eu não posso, paisagem,
Esperar mais!

Miguel Torga, Diário V

1 comentário:

  1. espetacular... descreves o "teu observar" sempre da melhor maneira!

    ResponderEliminar