sexta-feira, 22 de junho de 2012

Filho da Minha Terra


Filho da Minha Terra

O Camponês é produto fiscal pluriforme e parece que não nasceu para outra coisa. Se é lavrador, precisa duma licença para ter carro e doutra licença para sair com ele à estrada. Paga por ter cabra e volta a pagar para ter cão que lha guarde, e paga terceira vez pela vacina que lhe preserva o rafeiro da raiva. Paga sumptuária se tem besta ou carroça, e paga se quer matar o vitelo para banquetear o filho pródigo; paga licença se se propõe abrir um postigo na casa, murar a horta ao longo do caminho, se lhe der a veneta de ir pescar ao rio, e paga-a para fuzilar o coelho que, esse tem o direito de lhe roer a horta à beira da serra em qualquer altura, direito esse que é sagrado em tempo defeso. Paga imposto de trabalho, e paga quota para o grémio, que é um dos seus horríveis pesadelos. Sustenta o padre, sustenta o mendicante que constantemente lhe bate à porta; sustenta o fidalgo de Lisboa e o letrado na vila. A sua missão é sustentar quanto bicho careta pisa à flor da nossa santa terrinha.

Aquilino Ribeiro - Geografia Sentimenta




Sem comentários:

Enviar um comentário