domingo, 14 de dezembro de 2014

Nada acontece quando você fica em casa



“Nada acontece quando você fica em casa. Eu sempre faço disso uma razão para carregar a câmera comigo todo o tempo. Eu só fotografo o que me interessa naquele momento.”

Elliot Erwit

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014



“O escritor e o fotógrafo utilizam as mesmas ferramentas, mas enquanto um descreve uma imagem com mil palavras o outro descreve mil palavras com uma imagem.”
Jefferson Luiz Malesk






domingo, 30 de novembro de 2014

SE


SE

Amor, e se eu não aguentar estar, esperar
nem mais um minuto, nem a hora combinada
nem sequer atrasos mais que justificados
em que morrêssemos na ansiedade presente
nesse ambiente turvo e escuro, que se sente
em que escondêssemos a mente para outro dia
onde gastássemos horas e horas, todo o tempo
para comandar e vivificar o meu sonho, e eu o teu
limpando os nossos egos de desesperos, fugas, medos
esquecendo consentimentos, protocolos, regulamentos
não interessando, até, se algum deles se possa aplicar
se faça, no nosso tempo, mesmo cumprir, decretar, exigir.
E se nos abraçássemos e beijássemos, agora, sem limites
tal como nos apetece, no exterior e no interior da pele
esquecendo a vergonha que não temos, perdida
dando-nos um ao outro, até que venha uma outra vida?

Autora: (eu)


sexta-feira, 28 de novembro de 2014

CANTE ALENTEJANO – PATRIMÓNIO IMATERIAL DA HUMANIDADE





O Cante Alentejano já é da Humanidade. A decisão foi tomada em Paris, pela UNESCO.

Como alentejana, sinto-me muito honrada, feliz e orgulhosa, por partilhar com o mundo este género musical tão genuíno e tão único.

Céu

quarta-feira, 26 de novembro de 2014

CONSTATAÇÃO




CONSTATAÇÃO

A Fotografia é uma Arte
que torna para sempre todos os instantes.
A Poesia é igualmente uma Arte
que torna para sempre, sentimentos, afetos, quereres.
Assim, a Fotografia é a Poesia do que observamos, da Imagem
e a Poesia é a Fotografia das sensações, dos estados de alma, das emoções.
Fotografia e Poesia, complementam-se, sem dúvida
porque em ambas há flashes de luz intensa.

Autora: (eu)

segunda-feira, 24 de novembro de 2014

JUNTOS




JUNTOS

É outono no meu jardim interior, na minha alma.
As folhas caem desamparadas e com ideias inacabadas.
Cumplicidades, ternura, amores, doçura, afetos, vontades
e outras coisas, tenho que deixar para a próxima estação
que não sei qual é, nem quando acontecerá.
Mas, Amor, ainda estamos só no outono
e as coisas boas, as que tanto desejamos
vamos deixá-las pra fazer depois
pra quando tu vieres, talvez na outra primavera
aquela estação, a que, prontamente, renunciaste
pelos meus olhos, apenas pelos meus olhos.
Quando chegares, veremos o parto da vida, JUNTOS!

Autora: (eu)

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Quero apenas cinco coisas...


Quero apenas cinco coisas...
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando.

Pablo Neruda

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

Tens-me feito tão feliz




Tens-me feito tão feliz, mas tão feliz
Como eu jamais tivera esperanças de o ser
Como eu nunca pensei ser possível acontecer.
Se, um dia, alguém te perguntar
Se se julgar com direito a fazê-lo
Questionando-te sobre o que fizeste de mim
Da minha vida, dos meus anseios
Diz-lhe, por favor, meu amor
Que, de mim, fizeste uma mulher inteira
E da minha vida o melhor sonho.

Autora: (eu)

domingo, 16 de novembro de 2014

Hoje não trago qualquer fotografia minha para o blogue, como sempre levo a minha maquina fotográfica para onde quer que vá, acontece é por vezes não levar bateria ou cartão de memoria, aconteceu hoje. 
Estive no PARIS FHOTO 2014, 169 galerias, alguns dos exemplares de fotógrafos que fizeram e fazem a história desta arte, eu quero fazer uma história para mim também, vi caminhos e exemplos a seguir, hoje é o primeiro dia do resto da minha vida.



Debra Bloomfield, Wilderness #02082-8-07, 2007


sexta-feira, 14 de novembro de 2014

Quieres Ser Mi Amante



Quieres Ser Mi Amante

Decir te quiero y decir amor no significa nada
las palabras sinceras, las que tienen valor
son las que salen del alma.

Y en mi alma nacen solo palabras blancas
preguntas sin respuestas llenas de esperanza.

Un amor como el mío no se puede ahogar
cómo una piedra en un rio
un amor cómo el mío no se puede acabar
ni estando lejos te olvido.

Y no se puede quemar porque está hecho de fuego
ni perder ni ganar porque éste amor no es un juego.

Sueños que son amor son sueños que son dolor
yo necesito saber si quieres ser mi amante.

Es bonito reir, amar y vivir todo por alguien
y si es preciso sufrir, llorar o morir por ese alguien.

Yo necesito saber si quieres ser mi amante
yo necesito saber si quieres ser mi amante.

Sueños que son amor son sueños que son dolor
yo necesito saber si quieres ser mi amante...

Sueños que son amor son sueños que son dolor
yo necesito saber si quieres ser mi amante.

Vivir o morir, vivir o morir
pero contigo.

Vivir o morir, vivir o morir
quieres ser mi amante...

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Place des Vosgues


A voz deste soprano dissipa-se entre as arcadas da Place des Vosgues é impossível não parar e escutar por uns breves instantes.








terça-feira, 11 de novembro de 2014


Sentir a intensidade da luz na noite fria, em contrastes entre pretos e brancos, nas ruas vazias da cidade .



domingo, 9 de novembro de 2014

Sim, sou eu, eu mesmo, tal qual resultei de tudo,


:)

Sim, sou eu, eu mesmo, tal qual resultei de tudo,
Espécie de acessório ou sobressalente próprio,
Arredores irregulares da minha emoção sincera,
Sou eu aqui em mim, sou eu.

Quanto fui, quanto não fui, tudo isso sou.
Quanto quis, quanto não quis, tudo isso me forma.
Quanto amei ou deixei de amar é a mesma saudade em mim.

terça-feira, 4 de novembro de 2014


Esta cidade está a ficar pequena,
Como uma ilha onde o Norte é ali ao lado do Sul.
Vestidos de branco, acabaram por me agarrar...



domingo, 2 de novembro de 2014

Olá Xana! Eu a descolar em Orly


Olá, Xana! Eu a descolar em Orly, farei uma breve paragem em Lisboa para abastecimento nesta cidade , passados uns dias estarei ai com vocês para o Natal!
Beijinhos, Nuno.

sábado, 1 de novembro de 2014

La bibliothèque nationale de France (BnF)


La bibliothèque nationale de France (BnF), ainsi dénommée depuis 1994, est la bibliothèque nationale de la République française, inaugurée sous cette nouvelle dénomination le 30 mars 1995 par le président de la République François Mitterrand et héritière des collections royales constituées depuis la fin du Moyen Âge. Première institution chargée de la collecte du dépôt légal, à partir de 1537, elle est la plus importante bibliothèque de France et l’une des plus importantes au monde.

http://fr.wikipedia.org/wiki/Biblioth%C3%A8que_nationale_de_France

quarta-feira, 29 de outubro de 2014

luzvag@.blogspot.com.


Amigos e seguidores deste velho blogue, venho por este meio, o mesmo de sempre, informar que o endereço nunocoreia.blogspot.com vai ser alterado em breve para luzvag@.blogspot.com.
Na tentativa de melhorar o conteúdo do mesmo e caso tenha passado por aqui mais de 10 vezes agradecia que deixasse a sua sugestão na caixa de mensagens abaixo.

Muito obrigado

1 abraço.

Nuno Correia.



segunda-feira, 27 de outubro de 2014


22:43, 10 estado de espírito, a musica que me deixou para ouvir naquele link teve um efeito ainda maior que o normal, parou tudo! não sei o que responder á sua historia, ás perguntas que ficaram sem resposta, não consigo! Desculpe hoje estou mais estranho que em qualquer um dos outros dias. Boa noite, vou ver a sua estrela lá fora.


sábado, 25 de outubro de 2014


Tinha flores das mais variadas espécies,
Esta tem qualquer coisa de diferente,
Assim como a Céu.
São para si.

domingo, 12 de outubro de 2014

Um Dia de Chuva




Um Dia de Chuva
Um dia de chuva é tão belo como um dia de sol.
Ambos existem; cada um como é.

Alberto Caeiro, in "Poemas Inconjuntos"
Heterónimo de Fernando Pessoa

sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Se Eu Pudesse



Se Eu Pudesse

Se eu pudesse trincar a terra toda
E sentir-lhe um paladar,
Seria mais feliz um momento...
Mas eu nem sempre quero ser feliz.
É preciso ser de vez em quando infeliz
Para se poder ser natural...

Nem tudo é dias de sol,
E a chuva, quando falta muito, pede-se.
Por isso tomo a infelicidade com a felicidade
Naturalmente, como quem não estranha
Que haja montanhas e planícies
E que haja rochedos e erva...

O que é preciso é ser-se natural e calmo
Na felicidade ou na infelicidade,
Sentir como quem olha,
Pensar como quem anda,
E quando se vai morrer, lembrar-se de que o dia morre,
E que o poente é belo e é bela a noite que fica...
Assim é e assim seja...


O Guardador De Rebanhos
Alberto Caeiro
08-03-1914

quinta-feira, 9 de outubro de 2014

Se eu morrer de manhã



Se eu morrer de manhã
abre a janela devagar
e olha com rigor o dia que não tenho.

Não me lamentes. Eu não me entristeço:
ter tido a morte é mais do que mereço
se nem conheço a noite de que venho.

Deixa entrar pela casa um pouco de ar
e um pedaço de céu
- o único que sei.

Talvez um pássaro me estenda a asa
que não saber voar
foi sempre a minha lei.

Não busques o meu hálito no espelho.
Não chames o meu nome que eu não venho
e do mistério nada te direi.

Diz que não estou se alguém bater à porta.
Deixa que eu faça o meu papel de morta
pois não estar é da morte quanto sei.

Rosa Lobato Faria

quarta-feira, 8 de outubro de 2014

Lagoa Santo André




Parece terem tirado parte de mim, a sentir saudades de Portugal!

Se alguém souber em que dia acaba a crise por-favor avisem, estarei de regresso no dia seguinte, o que eu quero no regresso?


Eu quero uma casa no campo
Onde eu possa compor muitos rocks rurais
E tenha somente a certeza
Dos amigos do peito e nada mais

Eu quero uma casa no campo
Onde eu possa ficar no tamanho da paz
E tenha somente a certeza
Dos limites do corpo e nada mais

Eu quero carneiros e cabras
Pastando solenes no meu jardim
Eu quero o silêncio das línguas cansadas
Eu quero a esperança de óculos
E meu filho de cuca legal
Eu quero plantar e colher com a mão
A pimenta e o sal

Eu quero uma casa no campo
Do tamanho ideal, pau-a-pique e sapé
Onde eu possa plantar meus amigos
Meus discos e livros e nada mais

Onde eu possa plantar meus amigos
Meus discos, meus livros e nada mais
Onde eu possa plantar meus amigos
Meus discos e livros e nada mais

Elis Regina


sábado, 27 de setembro de 2014

Sombra



Só ela a minha sombra me possa levar até lá.
Procuro-a em volta de mim, 
sigo-a sem a deixar apagar,
talvez um dia ela me diga afinal quem és afinal.

sexta-feira, 26 de setembro de 2014

Noite


Pode Paris ser a mais bela das cidades durante a noite!
mas o silencio e a luz do luar da mais pequena das aldeias.