sábado, 31 de maio de 2014


Existe todos os dias uma fracção de tempo em que a luz e o enquadramento das coisas parece que se arranjam só para me verem sorrir, uma vez por dia que seje...

segunda-feira, 26 de maio de 2014

UM VERSO EM BRANCO À ESPERA DE FUTURO


UM VERSO EM BRANCO À ESPERA DE FUTURO

"No teu poema
Existe um verso em branco e sem medida
Um corpo que respira, um céu aberto
Janela debruçada para a vida
No teu poema existe a dor calada lá no fundo
O passo da coragem em casa escura
E, aberta, uma varanda para o mundo.
Existe a noite
O riso e a voz refeita à luz do dia
A festa da senhora da agonia
E o cansaço
Do corpo que adormece em cama fria.
Existe um rio
A sina de quem nasce fraco ou forte
O risco, a raiva e a luta de quem cai
Ou que resiste
Que vence ou adormece antes da morte.
No teu poema
Existe o grito e o eco da metralha
A dor que sei de cor mas não recito
E os sonhos inquietos de quem falha.
No teu poema
Existe um cantochão alentejano
A rua e o pregão de uma varina
E um barco assoprado a todo o pano
Existe um rio
A sina de quem nasce fraco ou forte
O risco, a raiva e a luta de quem cai
Ou que resiste
Que vence ou adormece antes da morte.
No teu poema
Existe a esperança acesa atrás do muro
Existe tudo o mais que ainda escapa
E UM VERSO EM BRANCO À ESPERA DE FUTURO."

José Luís Tinoco

sexta-feira, 23 de maio de 2014

21 097,5 m - MEIA MARATONA



21 097,5, 1h45min - MEIA MARATONA - Objectivo alcançado! o ultimo meio Km feito com algum sacrifício mas com o apoio de um companheiro de outras corridas que apareceu, deu-me a força que necessitava para terminar este Objectivo. O meu Pai.

Imagem, Funchal 31.12.2012

sábado, 17 de maio de 2014

Homens temporariamente sós


Prometo não falar de amor de gostar e sentir
Portanto não vou rimar com dor um mentir
Joga-se pelo prazer de jogar e até perder
Invadem-se espaços trocam-se beijos sem escolher
Homens temporariamente sós / que cabeças no ar
Não retratos de solidão interior
Não há qualquer tragédia / Mas um vinho a beber
Partidas regressos conquistas a fazer
Tudo anotado numa memória que quer esquecer
Homens sempre sós preferem perder
Homens sempre sós são bolas de ténis no ar
Muito abatidos saltam e acabam por enganar
Homens sempre sós nunca conseguem casar

Homens temporariamente sós, GNR


terça-feira, 13 de maio de 2014

No bairro do amor



No bairro do amor a vida é um carrossel 
Onde há sempre lugar para mais alguém 
O bairro do amor foi feito a lápis de cor
Por gente que sofreu por não ter ninguém

Caro Jorge Palma

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Emigração





"Em Portugal a emigração não é, como em toda a parte, a transbordação de uma população que sobra; mas a fuga de uma população que sofre."
Eça de Queiroz