quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Quero apenas cinco coisas...


Quero apenas cinco coisas...
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando.

Pablo Neruda

5 comentários:

  1. Boa noite, Nuno!

    Antes de mais, quero dizer-lhe que o seu blogue está a ficar tão refinado, tão interessante, k dá gosto estar aqui. Aliás, passo por cá umas tantas vezes, durante o dia, só para olhar o seu rosto e ler as nossas conversas. Não aparece por aqui ninguém, mas nós vamos dando conta do "recado" e estamos dando o nosso melhor, com naturalidade e tranquilidade.

    Sabe que, por alguns instantes, imaginei-me a fazer parte da imagem k postou. Não sei se ia ou não sozinha, mas, foi muito bom ter essa sensação.
    Que lindo é o verde da natureza, com laivos de castanho! É o outono, com aquela beleza característica, k não consigo definir.

    Não tenho competência, capacidade para falar de Pablo Neruda. Ele, e o Nuno através do poema dele, ou melhor, da prosa poética dele, só querem cinco coisas. Não são exigentes, tenho de acrescentar.
    A PRIMEIRA, bem, não tenho palavras, mas há amores sem fim, acredite. A segunda, a terceira e a quarta, chegam sempre no tempo certo, e não faltam.
    A QUINTA, é algo muito profundo. Acredito k Neruda, ao escrever este verso, queria mesmo "possuir" os olhos dela. Queria, no sentido, de olhar sempre pra eles, sempre k lhe apetecesse, acordar e adormecer com eles.
    Dizem, que os "olhos são as janelas da alma", portanto, aqui, não sei qual seria a dimensão das mesmas, mas decerto, seriam enormes, tal como o amor k está subjacente àqueles olhos.

    Então, escusam a estação do renascer da vida, das flores, do chilrear dos pássaros, do recomeço da vida, a primavera, afinal, e recusam-se, também, a ser pessoas, obviamente, sem k aqueles olhos vos olhem.
    Abdicar da primavera por causa de UNS OLHOS, tem k se lhe diga, mas, baseando-me num poema k li há tempos, há olhos k nos beijam e abraçam, nos falam, como se tivessem voz.

    GOSTEI MUITO DA SUA ESCOLHA, MAS MUITO MAIS DA CAUSA QUE O LEVOU A ESCOLHER ESTE POEMA DE PABLO NERUDA. Obrigada!

    O nome do seu blogue é muito bonito e interessante, e foi o Nuno k o escolheu, livremente, mas daqui a mais algum tempo, julgo eu, sentirá k a Luz JÁ não é vaga, ou pelo menos, já não é assim tão vaga, pke vai havendo cumplicidades entre essa Luz e o Nuno. Não quero dar sugestões, pke essa alteração, se vier a acontecer, será, de sua livre e espontânea vontade, e sobretudo tem de sentir essa necessidade.

    Vai, então, à floresta, este fim de semana. Leve alimentos suficientes e apropriados e muita água. Se conseguir apanhar ainda algumas flores e folhas, reúna-as e traga-as para sua casa, deixe-as secar, e depois guarde-as num livro ou num recipiente de vidro. Dizem k dá sorte, sobretudo no amor.

    Uma noite feliz, com esses olhos.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Boa noite, Céu.
    É bom saber que se sente bem por aqui.
    Andou por ali na floresta, certamente andamos próximos um do outro, não sei o que nos afastou.
    Os olhos deste poema são castanhos.
    Continuo a gostar desta luz ainda que vaga.
    Tenho de ir, mas como sou completamente inconstante nunca tenho certezas de nada, sempre fui assim, amanha talvez volte a ser, se for trarei apenas folhas castanhas da cor dos seus olhos.
    Beijos.


    ResponderEliminar
  3. Boa noite, Nuno!

    Já lhe tinha dito, mas reafirma-lo nunca é demais.
    Eu "andei" , mentalmente, na floresta, mas tenho medo, confesso dos bichinhos e de me perder. Fiquei sentadinha, parada a olhar a natureza. Foi isso, o MEU MEDO, k nos afastou.
    São castanhos. Dizem k são muito leais.
    Não o considero inconstante, pode é mudar de "rota", ou ficar em "vale de lençóis". É pra amanhã", já cantava António Variações. Há coisas k podemos adiar, alterar, outras, não, como sabe.

    Diz-se completamente inconstante. Então vejamos: gosta muito de fotografar e para onde vai leva a sua máquina fotográfica - CONSTANTE.
    Adora exposições de Arte, em geral - CONSTANTE.
    Reside em França há dois anos, e provavelmente, já há um bom tempo, na mesma vila, na mesma casa e no mesmo emprego - CONSTANTE.
    Adora a natureza e as coisas simples (ou já não)? - CONSTANTE.
    Gosta de determinados cantores desde sempre, tipo Jorge Palma - CONSTANTE.
    Não gosta de dar nas vistas, é sincero e frontal - CONSTANTE.
    Ama a sua família, contacta-a regularmente e adora a sua terra - CONSTANTE.
    Usa vestuário prático, mas com muito bom gosto - CONSTANTE.
    Mantém um blogue (já teve dois) desde 2009, sempre com a mesma temática - CONSTANTE.
    Não deixa de postar, por ter ou não ter comentários - CONSTANTE.
    É sucinto a escrever, a falar não sei, mas nessa síntese diz tudo o k é preciso - CONSTANTE.
    É sensível, romântico, mas discreto - CONSTANTE.
    Todos os dias eu deixo aqui um comentário, uma conversa, que está sob aprovação, e k só é publicado/a no dia seguinte, à noite, sensivelmente às mesmas horas -CONSTANTE.
    Disse gostar de mim e do k eu escrevo, mas agora já "não" gosta, ou melhor, tem dias - INCONSTANTE.

    Vê, só encontrei um item inconstante. Eu entendo a sua inconstância, aquela k refere, e essa tem "cura".

    Se for, tenha uma boa viagem, boas fotos e volte com folhas castanhas, preferencialmente nos olhos e no coração (depois, eu gostaria de ver o k fotografou e o k trouxe).

    Beijos (até nisto, nesta matéria, é/somos constantes).

    ResponderEliminar
  4. Eu gosto tanto de si, gosto tanto do que escreve constantemente.
    Amanha vou!
    Boa noite meu amor.
    Beijos

    ResponderEliminar
  5. Bem, "fintou-me" (desculpe a linguagem), mas publicou e respondeu à minha conversa, ainda esta noite. não faz mal, quero k me faça mentirosa todos os dias, todas as noites.

    GOSTO TAMBÉM MUITO DE SI, SINCERAMENTE.

    Vá, e faça fotos lindas, para eu ver e comentar. Não esqueça as folhas.

    É quase uma da manhã, mas eu tinha de passar por aqui, para lhe dar um beijinho de boa noite. Precisava de ver o seu rosto, mais uma vez.

    Boa noite, "MEU QUERIDO AMOR".

    Beijos.

    ResponderEliminar