domingo, 9 de novembro de 2014

Sim, sou eu, eu mesmo, tal qual resultei de tudo,


:)

Sim, sou eu, eu mesmo, tal qual resultei de tudo,
Espécie de acessório ou sobressalente próprio,
Arredores irregulares da minha emoção sincera,
Sou eu aqui em mim, sou eu.

Quanto fui, quanto não fui, tudo isso sou.
Quanto quis, quanto não quis, tudo isso me forma.
Quanto amei ou deixei de amar é a mesma saudade em mim.

4 comentários:

  1. TU

    Sim, és tu, soma, produto final de algumas desventuras e venturas
    filho de tudo o que é simples, naturalidade, natureza, serenidade
    mas porque motivo estás tu na minha vida, desconheço o desígnio.
    De onde terás vindo tu, sim tu, menino homem ou homem menino
    que zelas, prudente, pelos meus tormentos, alegrias, sentimentos
    numa discreta cumplicidade, que já todos sabem, já todos notam
    juro que é verdade.

    Como apareceu na minha vida, nos meus dias, este menino homem
    que, esboçando um leve e despretensioso sorriso, me tem nas mãos
    desmistificando, alegrando, colorindo, purificando a minha essência
    de forma voluntária, arrumada, descomprometida, abnegada, sentida
    em elevadas e verdadeiras doses de ternura, declaradas, assumidas
    provando comigo o que destoa, as ruelas do cotidiano, as coisas boas
    juro que não sei.

    Abençoado o Deus, que proporcionou este enredo, aprazível encontro
    entre o menino homem e a mulher menina, de nós dois, casualmente.
    Abençoado o lugar, o sítio, onde jamais nos combinámos encontrar
    abençoado o tempo, que parou e esperou por nós, para nos enlaçar
    abençoado o encontro virtual do fogo do corpo, desmedido e louco
    que está subindo, crescendo, galgando todas as frentes, sem avisar
    e isso, eu sei e agradeço.

    Autora (eu)

    ResponderEliminar
  2. Esta não é a Céu que escreve poesia, que confundia com a real.
    Têm a noção do que escreveu! É forte, muito forte...
    Boa noite, ''meu amor'.
    '

    ResponderEliminar
  3. Boa noite, Nuno!

    É esta mesmo. Cofunde, e faz confundir quem a lê.
    A pergunta é para mim, ou para quem passar por aqui? Digo isto, pke o verbo está na 3ª pessoa do plural: TÊM, mas, eu dou-lhe, todavia, a minha opinião.
    Qdo começo a escrever, não sei qual vai ser o produto final. Equaciono os fatores, multiplico o multiplicador pelo multiplicando, e logo se vê. Não tiro a prova dos nove, e mto menos, a prova real.
    Não lhe consigo explicar como tudo isto nasce, cresce e se realiza em mim, na minha mente. NUNCA perco o fio condutor, portanto a noção, e sei k, do outro lado, vai haver impacto, aliás, é isso k qualquer pessoa k escreve pretende: chamar e "prender" o outro, ler e reler, sentir-se dentro do poema ou da prosa.
    Classificou o eu escrevi de forte, muito forte. Bem, o adjetivo forte, pode ter várias conotações, sentidos. Se eu consegui ir ao encontro dos seu sentidos, tanto melhor.
    Terminou em "grande". OBRIGADA!

    Noite tranquila e repleta de luz.

    ResponderEliminar
  4. Boa noite, Céu.
    Sinto que estou agarrado a este poema e a uma mulher menina que transmite positivismo, sensações agradáveis, alegria, afetos, muito obrigado.
    Espero que o seu dia tenha sido sereno, calmo, aproveite para descansar, tratar de si, ganhar força.
    Beijos



    ResponderEliminar