segunda-feira, 2 de fevereiro de 2015

Sonho Impossível


Eu tenho uma espécie de dever
de dever de sonhar
de sonhar sempre,
pois, sendo mais que uma espectadora de mim mesma
eu tenho que ter o melhor espetáculo que posso.
E assim me construo a ouro e sedas,
em salas supostas,
invento palco, cenário
para viver o meu sonho,
entre luzes brandas e músicas invisíveis.

Sonho impossível

Sonhar mais um sonho impossível
Lutar quando é fácil ceder
Vencer o inimigo invencível
Negar quando a regra é vender
Sofrer a tortura implacável
Romper a incabível prisão
Voar num limite provável
Tocar o inacessível chão
É minha lei, é minha questão
Virar este mundo, cravar este chão
Não me importa saber
Se é terrível demais
Quantas guerras terei que vencer
Por um pouco de paz
E amanhã este chão que eu deixei
Por meu leito e perdão
Por saber que valeu
Delirar e morrer de paixão
E assim, seja lá como for
Vai ter fim a infinita aflição
E o mundo vai ver uma flor
Brotar do impossível chão"





2 comentários:

  1. O AMOR É UMA COMPANHIA

    O amor é uma companhia.
    Já não sei andar só pelos caminhos,
    Porque já não posso andar só.
    Um pensamento invisível faz-me andar mais depressa
    E ver menos, e ao mesmo tempo, gostar bem de ir vendo tudo.
    Mesmo a ausência dela é uma coisa, que está comigo.
    E eu gosto tanto dela, que não sei como a desejar.

    Se não a vejo, imagino-a e sou forte como as árvores altas.
    Mas, se a vejo, tremo, não sei o que é feito do que sinto na ausência dela.
    Todo eu sou qualquer força, que me abandona.
    Toda a realidade olha para mim como um girassol com a cara dela no meio.

    Alberto Caeiro (heterónimo de FERNANDO PESSOA), in "O Pastor Amoroso".

    ResponderEliminar
  2. Olá, Nuno!

    Espero k esteja bem, embora as temperaturas por toda a Europa sejam de assustar, e a partir de 6ªf, vão baixar. Estamos, decerto, a fazer "concorrência" à Sibéria. Apetecia-me fugir para um lugar quentinho, relativamente próximo de Portugal, e lá ia eu "cair", mais uma vez em Cabo Verde, k não tem nada de interesse, a não ser o clima, italianos/as muito contagiantes e as noites dançantes. E para quem gosta de mar, "há mar e mar, ir e voltar".

    Ora, comentar um poema com outro poema, como eu fiz, parece não ter "grande" graça, originalidade, nem interesse, e portanto, nada a dizer, nada a acrescentar, da sua parte. Então, vamos lá, conversar, trocar impressões!

    O poema, que publicou, no dia 02, NÃO é de Fernando Pessoa, nem de nenhum dos seus heterónimos, k, afinal são sempre Fernando Pessoa, embora as pessoas julguem k foram pessoas k escreveram por Fernando Pessoa, ou a seu pedido. Os heterónimos de Pessoa são personagens fictícias, criadas pela "cabecinha" polifacetada, talentosa e tb "desmiolada" deste escritor, mas k até têm data de nascimento e falecimento e características físicas e psicológicas.
    Alberto Caeiro da silva é o meu preferido, e daí ter escolhido um poema dele, lindíssimo e repleto de entrelinhas, na minha opinião, para "responder" ao poema Sonho Impossível. Para além disso, Caeiro passou, soube passar pela vida sem sofrer, sem sentir aquele desassossego k caracteriza toda a poesia de Pessoa.

    Ora, dizia eu k o poema Sonho Impossível NÃO é da autoria de Fernando Pessoa, e esta minha afirmação é fundamentada, nomeadamente na pesquisa k efetuei, ontem e hoje, e na indagação k fiz a quem sabe muito mais k eu. De qualquer forma, e se eu estiver enganada, pke, eu do CONHECIMENTO TOTAL, sei, apenas, uma ínfima parte, agradeço ao Nuno ou às pessoas que passem pelo seu blogue, o favor, de me esclarecerem.

    Pessoa escreveu vários poemas sobre o sonho, sobre sonhar, como, p exemplo: "Entre o Sono e o Sonho", "Sonho. Não sei quem sou", mas o sonho impossível, não lhe pertence.
    Segundo se sabe o poema Sonho Impossível, versão em Português, é da autoria de Chico Buarque de Holanda e Ruy Guerra, aliás, basta lê-lo, com atenção, e notamos, de imediato k não é Português de Portugal. O poema musicado foi composto para um espetáculo, de tipo também musical, chamado: "Man of la Mancha". Há, tb, frases, onde faltam artigos definidos, ex.: "é minha lei, é minha questão", Pessoa teria escrito: é a minha lei, é a minha questão. Questão e demais, são palavras k a Literatura Brasileira usa muito, e a Portuguesa, não.

    RESUMINDO, É UM POEMA INTERESSANTE E CONTRADITÓRIO, MAS "O SONHO É UMA CONSTANTE DA VIDA.." e "SEMPRE QUE O HOMEM SONHA, O MUNDO PULA E AVANÇA, COMO BOLA COLORIDA ENTRE AS MÃOS DE UMA CRIANÇA"- Pedra Filosofal do nosso António Gedeão.

    Fique bem. Noite serena e feliz.

    Beijos.

    ResponderEliminar