domingo, 22 de fevereiro de 2015

Pommeuse





6 comentários:

  1. Ola, Nuno!

    Qdo vi escrito "Pommeuse", lembrei-me logo de pommes (maçã para quem não sabe), mas nada tem a ver, diretamente, com esta fruta. Pommeuse significa ponte sobre o Morin, k é um rio.
    É também uma comuna/cidade francesa da região Île-de- France, à semelhança de Brie-Comte- Robert.
    Vivem da agricultura e criação de gado, e pouca indústria existe.
    Há vários meios de transporte, e de comboio leva-se cerca de uns cinquenta e tal minutos, até Paris, portanto perto. De carro, será mto menos, acho eu. É, Nuno?
    Tem, tb, o necessário, em termos comerciais e sociais, para qualquer pessoa viver. Uma igreja e uma capela dão o toque de religiosidade à cidade.

    Gostei de ambas as fotografias, k parecem "vivas", mas os meus olhos "fugiram" para a primeira.

    O Nuno deve estar e sentir-se mto purificado, pke a frequentar estas pequenas cidades, os pulmões e a mente, agradecem-lhe. PAS FUMER, SVP!

    E continuamos numa de piano, já há uma semana, para k a serenidade se instale, de vez. Bom gosto!

    Uma noite feliz!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  2. Boa noite, Céu.
    Depois que encontrei a nova namorada (a minha bicicleta), vou de comboio até um destino o regresso faço a pedalar, fotografar, conhecer, ver, viajar a serio.
    Ouvi um Ciclo-turista esta semana que diz e o mundo é demasiado grande para fazer a pé e relativamente pequeno para ser feito de carro, a melhor forma de viajar é mesmo de bicicleta, como o compreendo.
    De bicicleta podes andar em sentidos proibidos, passar vermelhos, sentir o vento, dizer bom dia, ouvir os pássaros, gritar alto, sorrir e estar melhor contigo mesmo.
    A Céu anda de Bicicleta?
    Beijos.

    ResponderEliminar
  3. Olá, Nuno!

    E eu a pensar k era de carne e osso...! Sou, sempre fui tão ingénua...!
    E faz mto bem, pke dá saúde à mente e ao corpo.
    Isso é uma verdade absoluta. É um meio de transporte simples, k pode "infringir" as regras do Código da Estrada, pouco polui, para-se qdo desejamos, andamos devagar e vemos e ouvimos tudo e mete-se em qualquer lugar.

    O importante mesmo é sentir-se melhor consigo próprio. Quero muito!

    Ó "meu amor", o k lhe parece? Então, vai ficar a saber k o 1º meio de transporte k usei foi um burrinho, de pequena estatura, castanho escuro, k o avô comprou especialmente para mim, numa feira. Tinha medo de burros altos, já pra não falar de cavalos, portanto, foi encontrada esta solução. Qdo o avô me colocou no dorso do burrinho, o Titó, eu quis sair para dentro dos braços do avô, assustada.
    O Nuno já me conhece um pouco, só na escrita é k me afoito. Depois, de minimamente convencida e ambientada, pôs-se outra questão: como me sentaria eu no burro? De perninhas abertas, não, recusei. Eu teria uns 3/4 anos. O avô, pegou-me ao colo, de novo, e perguntou-me para k lado queria eu pôr as pernas. Disse-lhe: umas vezes para um lado, outras vezes, para outro. O avô sorriu, acariciou-me e concordou, e foi sempre assim k me desloquei de burro, acompanhada pelo avô, ao contrário das minhas primas k pareciam umas cavaleiras.

    Qto a andar de bicicleta, só andei uma vez com o meu padrinho de batismo. Era, tb, muito jovem, e sei k nos poucos metros k andei, acompanhada por ele, chorei baixinho e virei-me no sentido contrário à estrada.
    A partir destas experiências e de andar de carrossel k foi uma aventura terrível, NUNCA MAIS, experimentei tais coisas, portanto a resposta à sua pergunta é, NÃO.

    Gosto de passear por sítios amplos, com luz, calmamente e em segurança. Gosto de cantar e dançar, apanhar borboletas e flores, pô-las no cabelo, enfim, assim como uma menina, qdo brinca.

    Durma bem!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  4. Que bela recordação, o Titó.
    Borboletas e muitas flores para si.
    Boa noite.

    ResponderEliminar
  5. O meu querido Titó. Que saudades!
    Obrigada! Onde as apanhou? Vá lá, coloque-me, p favor, uma nos cabelos, pke sei k as suas mãos têm arte.
    Está feliz?

    Bons sonhos

    ResponderEliminar