segunda-feira, 9 de março de 2015

AU REVOIR, PARIS. JE T' AIME.




Au revoir, ma belle ville.
Je vous promets, un jour je viendrai avec l'amour de ma vie.
 ;)


3 comentários:

  1. Olá, Nuno, meu querido amigo!

    ADIEU? É adeus para sempre, como sabe. Todavia, promete voltar à bela cidade, um dia, com o amor da sua vida. Assim sendo, será melhor dizer AU REVOIR, À LA PROCHAINNE.

    Deus queira que aí regresse com o amor da sua vida, e como diz a música: "até ao fim da minha vida eu vou te amar". Não sei, exatamente, do que está a falar, se de coisas/bicicleta, se de pessoas, mas esta hipótese, pessoas, seria a ideal.

    O que aconteceu? Alguma coisa menos boa? Sabe que estou sempre por aqui, por perto. Tenho-o sentido afastado e postando semanalmente, mas tb lhe tenho dado "espaço", o k nem sempre é o mais "aconselhável", mas a vida é feita de provações.

    Diga, escreva, fale, se faz favor, Nuno! Eu não sou uma estranha e sei encarar e suportar tudo o que é menos bom, como já sabe, "com uma perna às costas". Tenho, felizmente, muitas "infraestruturas e estruturas", e há sempre maneira de darmos a volta à situação, SEMPRE!

    Se já está em Portugal, veio esperar a Primavera, aquela estação a que "renunciou" por causa de uns olhos.

    SEJA BEM-VINDO! MUITOS BRAÇOS COM ABRAÇOS O ESPERAM.

    Um beijo e um abraço, com muito afeto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta cidade agarrou-me, prendia-me com a sua beleza, adiava o regresso mais que certo.
      A primavera vem aí, uma nova vida, a transformação.
      Estou calmo, consigo começar a sorrir de novo.
      Não tenho planos, nunca tive, tenho um desejo apenas, estar mais próximo das pessoas certas e das coisas simples, quem sabe renunciar de algo por causa de uns olhos, mas da primavera não.
      Vou a Portugal certamente, quero um abraço seu.
      Obrigado, Céu.

      Eliminar
  2. Nuno,

    Esqueci-me, devido às suas palavras, ao seu "adieu", de comentar a foto que fez de e em Paris.
    Como sempre, soube apanhar os ângulos mais significativos, deixando a "céu aberto" o Sena.

    "Deslumbras Paris", escreveu-o, não há muito tempo, e tem toda a razão. Espero, também eu, um dia, poder lá voltar/ir, e não quero chorar, copiosamente, nos Champs Elysées, como sucedeu a uma amiga minha. O namorado ao vê-la, assim, e porque já conhecia bem a cidade, perguntou-lhe: por que estás a chorar? Porque aqui tudo é demasiadamente belo, respondeu-lhe. Acarinhou-a, puxando-a para ele, enquanto a beijava. Então, aí, é que as lágrimas se "multiplicaram".

    Beijos.

    ResponderEliminar